Design sem nome (7)

Alimentação em trilhas: dicas para uma caminhada tranquila

Vai sair cedinho para uma trilha e a primeira coisa que faz é tomar um café da manhã bem reforçado. Depois monta uns sanduiches e faz um suco para levar mochila e pensa que dessa forma estará bem nutrido e preparado. Não! Se você está fazendo isso, está fazendo errado.

“Comer queijo, presunto e proteínas, como ovo, no café da manhã pode atrapalhar, esses alimentos tem uma absorção lenta e não ajudam a ter energia, só pesam”, explica a nutricionista Laura Massonetto.

Além disso, a nutricionista também alerta para sucos e frutas que soltam o intestino. Laranja, mamão e ameixa devem ser evitados. “Se a trilha for começar logo cedo o ideal é comer pão integral com queijo branco, banana e água”, explica. Se a trilha for de tarde, o ideal é comer carboidrato, que são alimentos de fácil absorção e que dão energia. Macarrão e batata são bons exemplos. Mas evite os molhos pesados e com carne. A dica é um molho ao sugo leve.

Você já está alimentado para encarar a trilha, mas lembre-se que é preciso comer alguma coisa durante o dia, de três em três horas. Para isso, o trilheiro precisa levar alguns alimentos na mochila. Se você tem o cálculo das horas que irá caminhar, leve as porções já feitas Algumas boas opções são: barrinhas de cereal, cookies integrais, torrone, nozes e queijos daqueles que não precisam de geladeira.

 

Veja também: WhatsApp GB
                                YowhatsApp

Frutas e alimentos “molhados” podem ser desconfortáveis de carregar e causar acidentes dentro da mochila. A maçã, que aparentemente seria uma boa opção, pode ser uma roubada. “Aquela lenda que diz que a maçã dá fome é real. O alimento tem propriedades adstringentes e faz uma espécie de limpeza no estômago, deixando pronto para receber comida, e isso pode dar a sensação de fome”, diz Laura.

 

Frutas secas e chocolates são bem vindos, mas se a trilha for exposta ao sol, esses alimentos podem perder a forma. Nesses casos deve-se tomar ainda mais cuidado com a hidratação: quanto mais quente, mais água.

Quando for planejar sua trilha, não esqueça de verificar se há fontes de água potável durante o percurso e se há paradas também. Calcule que em um dia de caminhada são necessários cerca de 2 litros de água por pessoa.

Mitos

Isotônicos podem repor sais minerais, mas não devem ser tomados em excesso. O ideal é que se tome depois que a trilha acabar. E comer uma proteína após a caminhada é também recomendado.

Outro mito perigoso é dar algo salgado ou sal para quem teve um mal estar na caminhada. Nem sempre é pressão baixa o problema. “Alguns sinais da pressão alta, baixa e da hipoglicemia são bem parecidos. O ideal é ter alguém capacitado para identificar qualquer problema em trilhas longas ou que a pessoa já avise aos demais que tem pré-disposição a ter pressão baixa, alta ou hipoglicemia”, explica a nutricionista. Agora basta você fazer sua boquinha e curtir uma trilha!

Tags: No tags
0

Add a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Shopping Basket